Seis regras para manteres a sanidade mental na quarentena

É impossível ficar imune ao alerta que soa da carrinha dos bombeiros estacionada junto à zona de passeio. E agora, a pergunta que muitos fazem a si mesmos é: “Como posso ficar em casa se quando lá entro me sinto à beira de entrar num colapso, ou ter um burnout familiar?” Para não ‘crashares’ nem entrares em desespero quando tudo fica crítico e propício a alimentar angústias e discussões, há que criar soluções. Conhece algumas delas. 1. Cumprir rotinas e rituais Levantar a horas certas, tomar banho, vestir, comer, meditar, trabalhar (ou teletrabalhar), lavar a loiça e partilhar tarefas domésticas, ajuda todos a saber a quantas andam até à hora de ir para a cama. Ouvir um podcast, ver a série favorita na televisão ou em streaming, trocar mensagens ou pequenos telefonemas, ler algumas páginas de um livro são algumas atividades com que te podes distrair... 2. Manter o contacto, mesmo à distância O isolamento social tem um efeito silencioso e perturbador. Fazer vídeochamadas com familiares, amigos e colegas é uma boa solução! 3. Definir limites Ficar em casa não é sinónimo de estar disponível a qualquer hora para pais, colegas de trabalho, amigos ou parceiros. Descobre a dose certa de atenção a dedicar a cada um. 4. Evitar discussões Estar confinado sem o desejar por longos períodos de tempo aumenta o risco de ansiedade e depressão. Bastam alguns dias fechado com alguém para uma conversa se converter num ambiente mais tenso. Afasta-te do outro antes que se atinja a gota de água, durante um quarto de hora, é a chave para não agires a quente e arrependeres-te depois. 5. Combater o tédio Negar ou lutar contra o desconforto é uma ilusão que sai cara. Deixar de ir à discoteca, ao bar, ao ginásio, ao cabeleireiro, à manicure, fazer atividades ao ar livre com grupos de amigos, jogos no casino, restaurantes e espetáculos ou escapadinhas de fim-de-semana é dose. No entanto é importante termos consciência de que devemos fazer algo diferente durante esta fase. Com isto podes até vir a descobrir talentos que não desconhecias ter e, até, partilhá-los, à distância de um clique. 6. Bom senso Todos diferentes, todos iguais: introvertidos, extrovertidos, líderes, mediadores… as diferenças que nos separam, de personalidade, não impedem que sejamos tolerantes uns com os outros! Podes passar por organizar alguns serões temáticos, com participação de todos: uma noite para a gastronomia, outra para os jogos de tabuleiro ou leitura... Marca encontros com amigos (zoom, skype, facetime, whatsapp, house party) para conversar, dizer disparates e divertires-te!