AHRESP apresenta ao Governo proposta de Guia de Boas Práticas para os Estabelecimentos de Animação Noturna

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) está a fazer pressão ao Governo para "reabertura urgente" das discotecas e bares noturnos. Foi produzido esta semana um guia de boas práticas para discotecas e bares, que se espera contribuir para a rápida reabertura desta importante actividade, uma vez que o "o encerramento da noite está a tornar-se insustentável para as empresas." O setor da animação noturna ficou de fora do plano de desconfinamento do Governo. Mas, cumprindo as regras recomendadas, a associação defende que este setor, está a passar por uma situação de extrema gravidade, sendo um dos poucos que ainda se mantém encerrado, e aquele que primeiro encerrou. O documento tem como base o guia de boas práticas para a restauração e bebidas, desenvolvido pela AHRESP, com a validação da Direção-Geral da Saúde (DGS). Os empresários da animação noturna estão hoje em protesto contra a demora do Executivo em legislar sobre a reabertura dos espaços, encerrados desde Março. A manifestação "O silêncio da noite… à procura de respeito e respostas" foi agendada através das redes sociais pelo coletivo "O silêncio da noite", que reúne proprietários de bares, discotecas, agência e artistas. Juntamente a este movimento, está a decorrer um protesto online-Juntos pela Noite-que luta pela abertura dos espaços de diversão noturna. Aqui ficam algumas das recomendações que fazem parte no guia de boas práticas da AHRESP: - Sempre que possível e aplicável, promover e incentivar o agendamento prévio para reserva de lugares por parte dos clientes. - Limitar a capacidade do estabelecimento por forma a assegurar o distanciamento físico recomendado, 2 metros, entre as pessoas e garantir o cumprimento da legislação em vigor. A capacidade máxima de pessoas permitida deve estar afixada em documento próprio, visível para o público. - Utilizar de preferência o espaço exterior, com medidas semelhantes às estabelecidas para o interior do estabelecimento. - Dispor, sempre que possível, as cadeiras e as mesas por forma a garantir uma distância de, pelo menos 2 metros entre as pessoas. - Informar os clientes que não podem modificar a orientação das mesas e das cadeiras. - Informar os clientes que devem manter uma distância de, pelo menos, 2 metros nas filas de espera no espaço exterior ao estabelecimento e nas filas de espera que se geram para pedidos/pagamentos ao balcão. - Organizar o acesso dos clientes ao estabelecimento através dos vigilantes. Estes devem usar máscara, manter uma distância mínima de segurança de 2 metros dos clientes, de acordo com a recomendação da DGS, e podem utilizar mecanismos de distanciamento, como fitas de segurança e instalação de barreiras físicas. - Proceder à limpeza e desinfecção das superfícies com maior risco de transmissão, como aquelas manipuladas ou tocadas por muitas pessoas, pelo menos 6 vezes por dia. São exemplos destas superfícies: maçanetas de portas, interruptores de luz, torneiras de lavatórios, manípulos de autoclismos, tabuleiros, balcões e bancadas, corrimãos, puxadores de armário, entre outros. - O chão deve ser lavado frequentemente, com água quente e detergente comum, seguido da desinfeção com solução de lixívia diluída em água fria, ou ser higienizado com detergente desinfetante. - As instalações sanitárias, de colaboradores e clientes, devem ser lavadas preferencialmente com produto que contenha na composição detergente e desinfectante. A frequência de limpeza deve ser adequada à sua utilização, devendo ser no mínimo, 3 vezes ao dia. - As roupas dos clientes devem ser protegidas com sacos/bolsas descartáveis ou reutilizáveis após a devida desinfecção. O colaborar entregará um saco/bolsa ao cliente para que ele possa colocar as suas roupas e devolvê-las. - As pistas de dança vão ser marcadas no chão com quadrados de 2,25 metros quadrados, de forma a que as pessoas mantenham distância entre si. -Na cabine de música só deve estar um DJ de cada vez. - Todos os colaboradores e clientes devem usar máscara de proteção, cobrindo a boca e nariz, a menos que pretenda comer ou ingerir bebidas.