Buzinas em vez de aplausos e conversas com fãs pelo Zoom

O conceito de concertos drive-in chegou a Portugal. Pedro Abrunhosa atuará nesse formato em Leiria e na Fábrica Braço de Prata, em Lisboa. Um músico dinamarquês que protagonizou o primeiro espetáculo drive-in falou sobre a sua experiência. Depois de ver um grande concerto cancelado, devido à pandemia de covid-19, Mads Langer diz que este foi um espetáculo "completamente diferente" dos que costuma dar. Num recinto com capacidade para cerca de 30 mil pessoas, o cantor tocou para duas mil pessoas dentro de 500 carros. "Acabou por ser muito intimista. Percebi que não estava a tocar para duas mil pessoas, mas para 500 pessoas vezes quatro. Parecia que estava a tocar nos quartinhos que eram cada carro". A comunicação com o artista começou por ser feita com o público a apitar as buzinas e a levantar os pára-brisas dos seus automóveis. Depois, Mads Langer criou uma conversa na aplicação Zoom, para que todos os espectadores pudessem participar. "Acabou por ser um concerto de músicas pedidas e uma conversa com o público. Algo de que nunca me esquecerei", garante o cantor. "As regras indicavam que as pessoas podiam ter a janela do lado esquerdo aberta, por isso iam acenando. Tentámos diferentes soluções para substituir as palmas. Primeiro as pessoas apitavam as buzinas, depois começaram a abanar os carros". O ponto alto do espetáculo, para Mads Langer, foi quando um casal lhe pediu para tocar uma canção para a qual a senhora havia feito uma coreografia. Mads Langer convidou a fã a subir ao palco e a dançar enquanto ele cantava. Obedecendo sempre a distância de segurança. As reações foram muito positivas! "As pessoas estão ansiosas por esquecerem as suas preocupações durante uns minutos, por saírem e interagirem com outras pessoas. Não fomos feitos para estarmos sozinhos em casa". Podes ver o concerto aqui!