385 views

Written by Wikinight

Posted on 11-02-2020 11:31

Um sonho, um luxo, uma surpresa inesperada. Estas são apenas algumas das palavras que poderiam definir a forma como foi recebido o anúncio de que o festival Rolling Loud assentaria em Portugal, mais concretamente em Portimão, de 8 a 10 de julho. Tendo em conta os nomes revelados para o seu cartaz, a estreia não poderá ser mais auspiciosa: A$AP Rocky está lá, Gucci Mane idem aspas, a dupla Rae Sremmurd também, e nomes como Lil Uzi Vert, Chief Keef ou Meek Mill deixaram muito boa gente a salivar. Nunca Portugal, país onde boa parte das pessoas que gostam de música ainda estão presas ao rock n' roll (sobretudo ao rock dos anos 90), recebeu um festival de hip-hop assim. Dizemos “Portugal”, mas poderíamos ter dito “o Mundo” em 2015, quando o Rolling Loud conheceu a sua primeira edição em Miami. Mesmo que não pensemos nesta grande cidade da Florida quando o assunto é o cânone hip-hop (Nova Iorque ou Los Angeles estão muito mais lá em cima), os seus contributos para o movimento são por ora conhecidos: foi aqui que nasceu o género conhecido como Miami bass, o rap sexualmente explícito dos 2 Live Crew e, nos últimos anos, rappers que brotaram da Internet para o estrelato, como Lil Pump. Se dantes a história era uma nota de rodapé, Tariq Cherif e Matt Zingler, dois jovens promotores locais, procuraram torná-la numa enciclopédia. Primeiro, testaram as águas: fundaram a Dope Entertainment e organizaram, desde 2010 e por toda a Florida, concertos de rappers como Curren$y, Rick Ross ou Kendrick Lamar. Os lucros obtidos, à altura, não foram os maiores (e até havia avultados prejuízos, pelo menos para a carteira comum). Mas Cherif e Zingler ganharam mais do que dinheiro: ganharam a consciência de que, neste estado, existia um vasto público – ou mercado – interessado em ver concertos de hip-hop. O Rolling Loud veio, por isso, preencher um espaço vazio. E não é à toa que se auto descreve como “o maior festival de hip-hop do mundo”, até por ser algo praticamente único. E por ter passado, desde a sua primeira edição, por um crescimento brutal: em 2015, cerca de 6 mil pessoas assistiram a concertos de artistas como Schoolboy Q, Juicy J ou Action Bronson. Em 2017, esse número já se cifrava nos 40 mil, esgotando entradas e mudando-se para um local mais amplo. Ou, como escreveu o jornal Miami New Times, em 2018: «foi como se um miúdo crescesse 1,20m e passasse do infantário para a faculdade em apenas dois anos». O que é melhor, fá-lo sobretudo através da perseverança e lealdade dos fãs, com a venda de bilhetes e não com altos patrocínios de grandes marcas (que também existem, mas não são eles que mantêm o festival de pé). É também por isso que os preços dos bilhetes serão algo proibitivos. O passe geral para a edição portuguesa ronda os 179,37€, número que sobe para 210,47€ caso os festivaleiros decidam adquiri-lo em três prestações. Já para não falar das entradas VIP, que chegam aos 299,47€, e que podem alcançar os 913€ caso se opte por uma estadia incluída num hotel de luxo.
  • Event category
  • Nightspot category
  • Collection category
  • All results

Search for events, nightspots or collections in the largest nightlife directory in Portugal

By using this website you are confirming that you are over the age of 18 and agreeing to our Cookie Policy and Privacy Policy.